Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Peregrina neste mundo

Sou peregrina na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. Salmos 119:19

Peregrina neste mundo

Sou peregrina na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. Salmos 119:19

Que Adultos Serão Estes?

"... a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe." ( Provérbios 29:15)

 

Actualmente, trabalho numa loja de brinquedos. Todos os dias, fico siderada perante a falta de educação que vejo em criancinhas de 2 anos para cima. São elas que, absolutamente, mandam nos pais. Assusta-me pensar que estas criancinhas serão os adultos de amanhã. Crianças mal-educadas e manipuladoras, cujos pais não sabem exercer o papel de pais. Vejam alguns exemplos da mais pura falta de educação:

 

Uma menina de 2 anos, entra a correr na loja apesar das sucessivas ordens da mãe:  «Não entres aí!», mas que corre atrás dela lá para dentro. Depois de ter desobedecido ostensivamente à primeira ordem, a menina ouve a segunda: «Não mexas em nada!» e... "Arruma-me" a loja toda perante os avisos constantes da progenitora que, desesperada e impotente, tenta arrumar o que a filhinha vai destruindo, e vai pedindo desculpa.

Cada vez que a mãe diz: «Vamos embora!», os gritos da petiz furam-me os tímpanos, a mamã parece amedrontada, incapaz de a fazer obedecer a qualquer ordem sua, e vai cedendo durante aproximadamente meia hora  até que, lhe compra um brinquedo, para a conseguir tirar da loja.

 

Que tipo de adolescente/jovem/adulta, será esta criança desobediente, cuja mãe é incapaz de a contrariar?

 

No outro dia, um menino, com mais ou menos 2 anos, entrou a correr na loja, pegou num brinquedo e saiu a correr comigo no encalço. A mãe, quando viu que o petiz "roubara" o brinquedo, deu umas gargalhadas, tirou-lhe o brinquedo da mão e devolveu-mo. Lembro-me de ter comentado com a minha colega que, aquela mãe, se continuasse a agir assim, podia estar a criar um ladrão.

Passadas algumas semanas, ele voltou a fugir à mãe e a entrar na loja, quase me destruiu a montra, a mãe entrou a correr e, ele, gritou-lhe um palavrão que me fez descair o queixo... Um "ahhh" perplexo escapou-se-me dos lábios. Mais uma vez, ele pegou num lápis que temos para venda, e saiu a correr da loja com a mãe atrás dele... A rir-se.

Eu só pensava no estaladão que teria dado a um dos meus filhos se ele me gritasse um palavrão e fizesse o que aquela criancinha fez. Sim, eu disse "estaladão", porque só de imaginar que um filho meu se atrevesse a insultar-me...

 

Que tipo de adolescente/jovem/adulto, podemos esperar de uma criança que, aos dois anos, grita uns palavrões à mãe e a vê rir-se quando "rouba"?

 

Outra cena que me pôs os cabelos em pé, foi ver a mãe e a avó do pequeno Edgar (nome fictício),  completamente impotentes para fazer o rapazinho de 2 anos obedecer. Ele puxou-as, literalmente,  para dentro da loja, fez ouvidos moucos aos constantes avisos: «Não mexas!» e, não só mexeu em tudo, como fazia birras horríveis sempre que a mãe dizia: «Vamos embora!». Depois de muitos avisos e de muitas birras, ele exigiu um brinquedo. A mãe disse-lhe que «Não!»,  e... O Edgar, enfurecido, deu-lhe uns pontapés e uns empurrões. A mãe, finalmente, pegou nele ao colo e levou-o para fora da loja enquanto era pontapeada e os gritos dele se faziam ouvir por todo o Shopping.

Ai se ele fosse meu filho...

 

Uma mãe entrou na loja com os três filhos. O mais novo, ao contrário dos irmãos, desobedecia ostensivamente às ordens dela. Ninguém o segurava. Ela disse-lhes para escolherem um brinquedo e, o mais novo, exigiu um brinquedo que estava na montra. A mãe, calmamente, disse-lhe que não, que era muito caro, e que tinha de escolher um brinquedo igual ao dos  irmãos... A birra estalou! Ele gritava a plenos pulmões, chorava baba e ranho e balbuciava: «mas eu quero aquele!»

A mãe, num primeiro momento, tomou a atitude certa  e disse-lhe que, se ele continuasse a fazer birra, não lhe dava nada, mas, enquanto lhe dizia: «Se não parares de fazer birra, não levas nada!», ia pagando os brinquedos que escolhera para os três. A birra não parava, os gritos cresciam de tom... Ela pagou, pegou no saco com os brinquedos e saíram da loja,  mas... Eis que ela volta, com o "birrento" pela mão, para trocar o brinquedo que ela escolhera por aquele que ele queria! A birra parou.

 

Assustador!!!!

Como agirá este menino no futuro, quando não conseguir levar a dele avante?

 

Infelizmente, não me faltam maus exemplos para citar... Quando vejo estes comportamentos, assusta-me pensar no que estas crianças se tornarão um dia. E, a culpa é toda dos pais! Pais que, em vez de amar, odeiam os seus filhos. Odeiam? Sim, odeiam.

 

"O que não faz uso da vara ODEIA seu filho, mas o que o ama, desde cedo o castiga." (Provérbios 13:24)

 

crianca_nervosa.jpg