Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Peregrina neste mundo

Sou peregrina na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. Salmos 119:19

Peregrina neste mundo

Sou peregrina na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. Salmos 119:19

"_ Não quero ser um fardo para ninguém."

Quantas vezes já pensaste, ou disseste:

«Não quero ser um fardo para ninguém.»
_ Eu já disse... Mas, Deus me ajude a não voltar a dizê-lo.

 

A verdade é que viemos a este mundo totalmente dependentes do amor, do cuidado e da protecção de outros. Passamos por uma fase da vida em que outras pessoas dependem de nós. E a maior parte de nós deixará este mundo, dependendo totalmente do amor e do cuidado de outros. Esse facto não é um aspecto negativo, nem encerra mal algum. Faz parte do plano de Deus, isto é, da natureza física que Ele nos deu. Por vezes, ouço pessoas idosas, incluindo cristãos que já deviam ter mais discernimento, dizerem: «Não quero ser um fardo para ninguém. Estou feliz por continuar a viver enquanto puder cuidar de mim, mas se me tornar um peso para alguém, prefiro morrer.»

Isto está errado! Todos estamos destinados a ser um fardo para outros. Você está destinado a ser um peso para mim e eu estou destinado a ser um peso para si. A vida familiar, incluindo a da igreja local, deveria ser de "responsabilidade mútua". «Ajudem-se uns ao outros a suportar as dificuldades, pois assim cumprem a li de Cristo» (Gálatas 6:2)

O próprio Cristo assume a dignidade da dependência. Nasceu bebé, totalmente dependente dos cuidados da Sua mãe. Precisou de ser alimentado, que Lhe mudassem as fraldas, que O segurassem para não cair. Ainda assim, nunca perdeu a Sua dignidade divina. No fim, mesmo na cruz, tornou-se totalmente dependente, com os membros perfurados e esticados, incapaz de se mover. Na Pessoa de Cristo, aprendemos que a dependência não destitui (nem pode destituir) uma pessoa da sua dignidade, do seu valor supremo. Se a dependência foi adequada para o Deus do Universo, certamente é apropriada para nós.

Bebê 1.jpg

 

John Stott
O Discípulo Radical

 

 

1 comentário

Comentar post