Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Peregrina neste mundo

Sou peregrina na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. Salmos 119:19

Peregrina neste mundo

Sou peregrina na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. Salmos 119:19

11 suposições falsas sobre o cristianismo

 

  1. Deus é um genocida maníaco

— O Deus revelado na Bíblia não é redutível aos atributos de amor ou misericórdia. Deus é um Deus justo, santo e justo. Ele deve punir o mal. Se Deus não tivesse razões que vão além da nossa compreensão para o fazer, Ele não seria digno de adoração, e muito menos de crença. Nunca louvamos um juiz que opte por deixar ladrões condenados, assassinos e violadores voltar para casa sem justiça. Mesmo que um juiz fizesse isso em nome do amor, nunca estaríamos satisfeitos com as realidades práticas de manter essas pessoas impunes nos nossos bairros ou de os deixar ensinar os nossos filhos na escola. Um Deus que nunca exerce justiça é um Deus que deve ser rejeitado. Um Deus que é amoroso e justo é um Deus que não é apenas digno de, mas também exige a nossa adoração e obediência.

  1. Jesus nunca existiu como uma pessoa real.

Enquanto a média geralmente relata a proposição de que a crença na existência histórica de Jesus é insustentável, a grande maioria dos estudiosos de hoje discorda. A existência de Jesus é um dos factos mais bem atestados, documentados, e disponíveis para nós. Testemunhas hostis atestam a sua vida na Palestina. A sua vida registada nos Evangelhos é a melhor explicação disponível sobre quem ele era e o que ele fez. Esse facto é mantido por fontes hostis fora das fontes cristãs.

  1. A ciência é incompatível com o cristianismo

A ciência é incompatível com o cristianismo 
Historicamente, o cristianismo liderou muitas vezes o caminho no avanço científico. Hoje, muitos cientistas acreditam numa cosmologia que é muito mais aberta ao design e à criação inteligentes do que a maioria dos especialistas assumem. A ciência não encontrou evidências que impedissem a crença em Deus, os milagres ou a ressurreição de Jesus. Tais campos estão fora da competência da ciência e da sua metodologia.

  1. A Bíblia é baseada em mitos.

A história é parte integrante da fé cristã. O apóstolo Paulo, que escreveu mais de metade do Novo Testamento, justifica a fé em testemunhos oculares e eventos verificáveis ​​(1 Cor. 15). Se essas coisas são mitos e fábulas, o cristianismo não é útil ou bom. O tom e o teor das Escrituras são categoricamente diferentes do dos mitos gregos ou das Fábulas de Esopo. O que acreditamos é baseado na realidade e fundamentado na história. A Bíblia está aberta a investigação e escrutínio.

«O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que temos contemplado, e as nossas mãos tocaram da Palavra da vida — Porque a vida foi manifestada, e nós a vimos, e testificamos dela, e vos anunciamos a vida eterna, que estava com o Pai, e nos foi manifestada; — O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão connosco; e a nossa comunhão é com o Pai, e com seu Filho Jesus Cristo.» — 1João 1:1-3

  1. Todas as religiões ensinam o mesmo.

Hoje, num mundo que se auto-denomina pós-cristão e que rejeita Deus, muitas pessoas tentam desmantelar as reivindicações do cristianismo mesmo antes de as ouvir afirmando (não argumentando) que todas as religiões ensinam o mesmo. Na verdade, cada religião faz afirmações e pressupostos muito diferentes sobre a realidade. Pode haver um acordo superficial sobre a Regra de Ouro, mas o evangelho do Deus trino separa categoricamente a fé do cristianismo de todas as outras religiões.

  1. Jesus nunca morreu numa cruz.

De acordo com múltiplas fontes, Jesus foi condenado a morrer por razões específicas: Uma delas é que Ele tentou levar Israel para longe de Deus por meio de acções milagrosas. Os seus inimigos atribuíram as suas obras ao diabo como actos de feitiçaria. A morte de Jesus era um facto bem conhecido em todo o mundo antigo. Historiadores e políticos do primeiro século falaram dos acontecimentos que decorreram em Jerusalém. 

  1. Não há coisas como milagres.

Assumir que os milagres não são autênticos porque não acontecem normalmente não é um bom argumento. Em vez disso, a maior parte das pessoas toma a sua experiência pessoal como base normativa para julgar os eventos passados. Essa visão subjectiva do que é possível não permite a realização de eventos históricos normais, e muito menos milagrosos. Se analisarmos evidências históricas, a questão continua a ser uma possibilidade aberta.

  1. O mal impede a existência de um Deus Bom

Só o Deus da Escritura permite que o mal seja um problema em primeiro lugar. Se o mal existe, presume uma bondade e liberdade originais que tornam essa escolha má. O problema do mal é, na verdade, um argumento para o cristianismo. O mal, como uma escolha que tem consequências reais, não pode ser explicado sem Deus. Erradamente, muitas pessoas assumem que, se Deus é bom, não deve haver maldade no mundo. E, no entanto, isso pressupõe que, como criaturas finitas, poderíamos conhecer os propósitos de Deus. Se tal Deus existe, existem prováveis ​​razões pelas quais Ele permite o mal que não podemos compreender completamente.

  1. O cristianismo é irracional e pouco razoável

Geralmente, a fé é erradamente percebida como um salto no escuro, irracional e imaginário. No entanto, historicamente, o cristianismo tem visto três aspectos da fé: conhecimento, concordância e confiança. A fé é baseada em eventos históricos reais que são explicações racionais da realidade. A fé concorda com a confiabilidade do Deus falante. Essas explicações podem não ser vistas a olho nu, mas isso não significa que elas são irracionais. Em vez disso, a revelação das Escrituras revela um Deus racional, e, mais importante, um Deus bom que salva pecadores.

  1. Não há provas para a ressurreição.

Erradamente, muitas pessoas assumem que não há evidências reais para a ressurreição de Jesus. No entanto, isso é incorrecto. As mulheres que encontraram um túmulo vazio atestaram a ressurreição de Cristo. Centenas de testemunhas em torno de Jerusalém viram o Senhor ressuscitado e podiam ser questionadas. As autoridades hostis entre os judeus e romanos atestaram o seu túmulo vazio e os seus milagres. De acordo com muitos estudiosos, os relatos evangélicos continuam a ser a melhor explicação do túmulo vazio, a par com a transformação dos apóstolos e a existência da igreja primitiva.

  1. A ciência e a fé são incompatíveis.

A ciência não pode existir sem os pressupostos de uma criação estável, com significado, propósito ou leis da natureza para a governar. Sem os pressupostos provocados pelo cristianismo, a ciência moderna não teria qualquer fundamento. Se a natureza fosse inerentemente egoísta e motivada apenas pela sobrevivência, e não pela entrega da vida, a estabilidade das leis naturais seria incognoscível. A própria natureza seria uma decepção em movimento. Não teríamos a capacidade de perceber tal realidade se existisse.

"A ciência baseia-se no pressuposto de que o universo é completamente racional e lógico em todos os níveis", escreve Paul Davies. "Os ateus afirmam que as leis [da natureza] existem sem razão e que o universo é finalmente absurdo. Como cientista, acho difícil aceitar isso. Deve haver um terreno racional imutável em que a natureza lógica e ordenada do universo está enraizada "(Russell Stannard, Deus para o século 21 [Templeton Foundation Press, 2000], 12). Muitos cientistas hoje vêem essa racionalidade — que muitas pessoas desejam descontar como superstição. A evidência aponta para algo como um Criador infinito e para uma crença nEle.

A fé no que deve ser (ou seja, Deus) para que o mundo exista, é realmente racional. A ciência não encontrou evidências que impedissem a crença em Deus, os milagres ou a ressurreição de Jesus. Tais campos estão fora da competência da ciência e da sua metodologia. A fé não é incompatível com as evidências. Todo o mundo tem que acreditar numa hipótese sobre onde as provas convincentes os conduzem. Tais crenças básicas são os blocos de construção da compreensão das leis da natureza. As leis da natureza, portanto, representam um problema para ateus e materialistas, mas não para os teístas.

 

Adaptado de:

— Timothy W. Massaro

 

ac1c67e96b258a13120161384b43a294.jpg