Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Peregrina neste mundo

Sou peregrina na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. Salmos 119:19

Peregrina neste mundo

Sou peregrina na terra; não escondas de mim os teus mandamentos. Salmos 119:19

Quem tiver ouvidos [olhos] para ouvir [ler], ouça [leia]!

Ao longo da história, a promiscuidade sexual "legalizada", (tendo a homossexualidade como apogeu), foi sempre o prenúncio do Juízo de Deus sobre uma nação na sua mais intensa manifestação de Ira, ao mesmo tempo que prenúncio da perseguição aos Cristãos Bíblicos.

 

Este "Tsunami de revolução sexual" está a chegar mais depressa do que alguns pensavam e desejavam. O ódio, a raiva e o desejo de silenciar todos os cristãos que defendem intransigentemente uma visão Bíblica da sexualidade, está bem perto de ser sentido de uma maneira bem particular por todos nós. Deus nos ajude a permanecermos firmes e seguros nas verdades bíblicas e tenhamos a coragem de continuar a amar todos aqueles que vivem na imundície do pecado sexual, chamando-os ao arrependimento...mesmo quando estes nos forçarem a pregar e viver a palavra de Deus escondidos e como foragidos, nos lançarem no calabouço ou retirarem nossos filhos de nossa tutela não permitindo que os educamos na Palavra do Senhor.

 

Citando Dr. James White; «Lembram-se que nós alertámos de que rolo compressor LGBT nunca teve como objectivo a "tolerância" ou "aceitação" ou "igualdade de direitos", certo? O seu objectivo sempre foi, e continua a ser, o desmantelamento da família e a completa destruição de quaisquer normas sociais derivadas de uma cosmovisão cristã.»

 

Autor: Tito Pereira

 

Obama.jpeg

 

The Department of Housing and Urban Development joined other Obama agencies Tuesday in ruling that ‘Gender Identity’ determines reproductive biology and overrides Title IX sex-based protections for women and girls in homeless shelters. The department defines Gender Identity as “the gender with which a person identifies, regardless of the sex assigned to that person at birth and regardless of the person’s perceived gender identity.” [p70]

The ruling allows any male to access female sleeping quarters, showers, and restrooms on the basis of self-declared ‘Gender Identity’. Questioning such a declaration on any basis is ruled as discriminatory and women’s rational need for privacy and safety from male violence is dismissed as “unsubstantiated fears” [p52]. 

The rule explicitly forbids requesting evidence of a “transition”, including duration, consistency, or sincerity of belief in declared ‘Gender Identity’. There is no provision to address men who may assert ‘Gender Identity’ for an improper purpose:

“HUD also revises paragraph (b) to add a provision that the policies and procedures must ensure that individuals are not subjected to intrusive questioning or asked to provide anatomical information or documentary, physical, or medical evidence of the individual’s gender identity.”[p13]

HUD disregards with a handwave the rationale for protection of female privacy and safety against male violence behind the Congress’s Title IX provision for sex-segregation in areas of public nudity:

“Contrary to the public comment that suggests what Congress’s intent was in creating single-sex facilities, HUD does not opine on Congress’s intent behind permitting single-sex facilities, but does make clear in this rule that, for purposes of determining placement in a single-sex facility, placement should be made consistent with an individual’s gender identity. This rule does not attempt to interpret or define sex.” [p30]

Yet the HUD ruling does re-define legal sex -as a characteristic on par with sex-stereotypes of “appearance, behavior, expression”- falling under the newly invented federal category of “Perceived Gender Identity”:

“Perceived gender identity means the gender with which a person is perceived to identify based on that person’s appearance, behavior, expression, other gender related characteristics, or sex assigned to the individual at birth or identified in documents.” [p70]

The ruling itself re-defines ‘sex’ as a component of ‘Perceived Gender Identity’ but the agency also defines ‘Gender Identity’ as a “component of sex’ in its response to public comment:

“In response to the comment with regard to this rule’s impact on a “legal sex category,” this rule does not provide a definition of “woman” or “sex.” In this rule, HUD notes that gender identity—and whether a person identifies with their sex assigned at birth or not—is a component of sex.” [p45]

HUD cites the Title IX re-interpretation of other Obama appointed agencies (which call for the elimination of sex as a protected category) as precedent for Tuesday’s ruling, making no mention of the current legal challenges to this very interpretation by 23 states and various private litigants:

“Consistent with the approach taken by other Federal agencies, HUD has determined that the most appropriate way for shelter staff to determine an individual’s gender identity for purposes of a placement decision is to rely on the individual’s self-identification of gender identity.” [p39]

HUD cites various internet surveys as evidence that males with ‘Gender Identities’ are at greater risk of harassment and violence than women and girls. Therefore HUD rules that women and girls must be forced by the state to sacrifice their own safety and absorb the risk from males who prefer sleeping and bathing among women. HUD addresses the safety concerns of individuals with ‘Gender Identities’ extensively, including those who ‘identify as’ having no reproductive biology at all:

“In circumstances where an individual does not identify as male or female and such information is relevant to placement and accommodation, the individual should be asked the gender with which the individual most closely identifies. In these circumstances, the individual is in the best position to specify the more appropriate gender-based placement as well as the placement that is most likely to be the safest for the individual—either placement with males or placement with females.” [p48]

Yet HUD completely disregards voluminous FBI, CDC, and other forensic documentation of epidemic sex-based violence against women committed by males as “beyond the scope” of the ruling, wrapping up their dismissal with a version of the classic ‘but women rape too!’:

“HUD’s rule requires that individuals be accommodated in accordance with their gender identity. It is beyond the scope of this rule to detail methods for best serving victims of domestic violence, dating violence, sexual assault, or stalking. However, as discussed earlier, this final rule requires that providers must take nondiscriminatory steps that may be necessary and appropriate to address privacy concerns raised by all residents or occupants. HUD notes that both victims and perpetrators of domestic violence and other VAWA crimes include persons who are transgender or gender nonconforming individuals and persons who are not”. [p58]

HUD fully expects violence, (which it calls “physical harassment”) to occur between homeless women and the males placed in female sleeping and bathing areas as a result of this ruling:

“If some occupants initially present concerns about transgender or gender nonconforming occupants to project staff and managers, staff should treat those concerns as opportunities to educate and refocus the occupants. HUD recognizes that, even then, conflicts may persist and complaints may escalate to verbal or physical harassment. In these situations, providers should have policies and procedures in place to support residents and staff in addressing and resolving conflicts that escalate to harassment.”[p17]

Strangely, although statistics show that female stranger violence against males is an infinitesimal probability compared to the reverse, the Federal Department of Housing and Urban Development is, yet again, solely concerned with the former- the issue of women’s protection from male violence being “beyond the scope” of the Obama administration’s mandate to eliminate sex-based protections for women.

 

Read the full HUD decision here:

https://s3.amazonaws.com/public-inspection.federalregister.gov/2016-22589.pdf

"Amor moderno" "Amor romântico"

 
No Post que obteve o DESTAQUE do Sapo, uma comentadora deixou este comentário, usando na primeira frase algo que eu lhe havia dito na resposta a um comentário dela:
 
«"Amor é algo muito maior do que apenas satisfazer os desejos da carne."
 
A senhora sabe perfeitamente que, com as devidas exceções, a expressão da sexualidade e o amor romântico são indissociáveis. Com a homossexualidade não é diferente. Esta não se limita a um plano carnal, também inclui um plano sentimental. Mais do que outra coisa, isso é que eu não acredito que seja pecado. Mas não estou interessada em prolongar esta conversa. É perda de tempo.»
 
 
- Mas, será que é realmente assim?
- Será que o AMOR é isto?
 
O "amor romântico" tem sido a maior causa de depressões, destruição da família e do significado da palavra amor.
O "Amor" romântico, é o "amor" dos filmes de Hollywood , dos romances e das novelas, é o "amor" dos sentidos e do físico, é o "amor" da satisfação do ego e da promessa de que o "amor" é bom enquanto dura, mas que quando acaba, "bola prá frente que atrás vem gente".
 
Esse tipo de "amor moderno" ou "romântico" é totalmente contrário ao amor de Deus e ao verdadeiro amor que provém d'Ele, logo, é pecado porque busca sempre a satisfação do eu [egoísmo] e não a da pessoa que é o alvo desse "amor" _ o nosso próximo.
 
Infelizmente, vivemos numa cultura em que tudo é descartável e as pessoas não são excepção. Mulheres são mortas, mães matam os próprios filhos como retaliação porque os maridos as deixaram, e inúmeros lares são desfeitos por causa desse "amor" que sacrifica tudo e todos, menos a vontade própria e a satisfação da carne e do eu.
 
A atracção por pessoas do mesmo sexo é algo a que qualquer pessoa está sujeita porque todos nós nascemos pecadores e somos tentados das mais variadas formas ao longo da nossa vida, mas a prática _ o acto sexual com pessoas do mesmo sexo - é pecado. (Bem como o sexo fora do casamento, o adultério e a pornografia). E, o pecado, apresenta-se sempre como o príncipe encantado sem o qual não podemos viver e ser felizes, mas, na verdade, ele traz infelicidade, é enganador e mortal.
 
Entendo que a Sofia não queira prolongar esta conversa...A verdade incomóda. Mas  jamais poderá dizer que nunca ninguém a tinha alertado... E, um dia, tal como todos nós, estará perante Deus sem desculpas.
 
Amor, Sofia, o amor puro e verdadeiro, o amor que Deus aprova porque provém d'Ele, está descrito nestas palavras maravilhosas do apóstolo Paulo:
 
 
"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal;
Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade;
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos;
Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido.
Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor." (1 Coríntios 13:1-13)
 
 
Tenha um bom dia Sofia, Deus a abençoe!
 

AMOR... O que é o amor?

«E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição.»

(Colossenses 3:14) 

 

Não há palavra mais vulgarizada e mais destituída do seu verdadeiro significado, do que a palavra "amor". 

Sendo o único valor pelo qual o mundo ainda parece ter algum respeito, é, frequentemente, deturpado e associado ao que o mundo tem de mais baixo, superficial, efémero e egoísta. 

Não é em tais caricaturas de "amor", mas em Deus que é amor _ a fonte e o modelo do amor _ que descobrimos o seu real significado. A Bíblia dá-nos muito mais do que uma definição do amor e uma demonstração de facto desta virtude divina, que somos chamados a demonstrar nas nossas relações uns com os outros. O apóstolo João vai direito ao coração do assunto:

 

«Conhecemos o amor nisto: que ele [Jesus] deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos.»

(1 João 3:16, grifo meu).

Então, o amor  não é um sentimento, mas sim um acto - um modo de vida. Não é a resposta ao amor de alguém, é algo que se dá sem esperar nada em troca:

 

«Nisto está o amor, não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou a nós, e enviou seu Filho para propiciação pelos nossos pecados."

(1 João 4:10)

Noutras palavras: ao contrário do que às vezes ouvimos e pensamos, o amor não cresce espontaneamente dum sentimento de afinidade ou devido a mera atracção pessoal: é desejado, vence a antipatia e decide-se pelo desgracioso e desajeitado. Enquanto que o amor humano é, às vezes, regulado pelo gosto ou predilecção, fantasia ou capricho, egoísmo ou acaso, a vontade é que é suprema no amor divino, essa vontade que é a graça de Deus. A razão para o amor só pode ser encontrada em Deus. 

Quando éramos ainda impotentes, pecaminosos, mesmo inimigos, Deus revelou o Seu amor para connosco dando-nos o Seu próprio Filho para nos reconciliar consigo mesmo e despertar o amor em nós:

 

«Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para connosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira. Porque se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais, tendo sido já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.»

(Romanos 5:6-10)

É exactamente porque o amor entre irmãos e irmãs, ou maridos e esposas, não é dessa qualidade, que às vezes falha miseravelmente: esperamos obter alguma coisa em vez de nos darmos a nós mesmos. O amor é medido pela cruz:

 

«O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando.»

(João 15:12-14 - Palavras de Jesus)

dar a vida.jpg

 

 

 

E se fosse consigo?

Todas as segundas-feiras, após o telejornal, vem passando na SIC o programa "E se fosse consigo?".

O tema central é a discriminação e assuntos como o racismo, o bulling, a homofobia e a violência no namoro (próximo programa) têm sido abordados na tentativa de despertar consciências. Nota dez para o programa porque acredito que, infelizmente, há pessoas que realmente precisam de um programa de TV para porem a mão na consciência e perceberem o quão más e desrespeitosas são para com o seu semelhante. Maltratar, humilhar, insultar e faltar ao respeito a quem quer que seja é abominável e não creio que fosse necessário um programa de TV para nos ensinar isso.

Mas, uma coisa é sensibilizar o povo para respeitar o próximo, outra bem diferente e que obedece a uma agenda LGBT multi-milionária e cuidadosamente elaborada, é querer formatar consciências e obrigar as pessoas a dizerem que é natural aquilo que não é. 

Só ontem, quarta-feira, vi o programa sobre o assunto da homossexualidade. Como já referi várias vezes, ao longo dos anos conheci vários homossexuais com os quais mantive uma relação cordial. Jamais me passou pela cabeça não falar com eles, maltratar, insultar ou humilhar homens e mulheres que sentem atracção por pessoas do mesmo sexo e que se expõem (porque há homossexuais que o são, mas não fazem alarde disso nem pretendem obrigar as pessoas a dizerem que a orientação sexual deles é natural), mas o que mais chamou a minha atenção no programa de ontem, foi a forma como trataram por homofóbicos todos aqueles que afirmam que a homossexualidade é pecado e que não é natural. Como cristã, mãe e cidadã, passo a explicar as "falácias" que vi no programa :

 

- O número crescente de homossexuais.

O facto de haver cada vez mais homossexuais assumidos que se queixam em praça pública de abandono da própria família, bulling, descriminação e exclusão, sensibilizando e despertando assim a piedade das pessoas, não torna a prática da homossexualidade natural e não muda o facto de que é pecado. A prática está em crescimento por dois motivos:

Primeiro, porque a sociedade está cada vez mais distante de Deus e o número de ateus cresce à mesma proporção.

Segundo, porque graças ao poder económico do movimento LGBT, os órgãos de comunicação social e muita gente famosa estão a promover a homossexualidade como algo bom de desejável, sem sombra de pecado, e a ensinar às crianças, desde muito cedo, que é fixe ser-se gay. Numa sociedade que tirou Deus da equação, tudo o que é pecado passa a ser visto com bons olhos, e promovido. Há cerca de dois mil anos atrás, o apóstolo Paulo, escreveu sobre estes dias: 

 

"Mas Deus mostra, dos céus, a sua ira contra todo o pecado e a injustiça dos homens, que impedem a revelação da verdade pela sua perversidade. Porque o que acerca de Deus se pode conhecer, eles sabem-no instintivamente. Deus manifesta-lhes essas coisas nas suas consciências. Desde a criação do mundo que os homens entendem e claramente vêem, através de tudo o que Deus fez, as suas qualidade invisíveis - o seu eterno poder e a sua natureza divina. Não terão, portanto, desculpa de não conhecer Deus.
Pois ainda que tendo conhecido Deus, não o adoraram como Deus e nem sequer lhe agradeceram todos os seus cuidados diários. Antes começaram a formar ideias absurdas. O resultado foi que as suas mentes insensatas se tornaram obscuras. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E então, em vez de adorarem o Deus glorioso e eterno, fizeram para si próprios ídolos com a forma de homens mortais, de aves, de quadrúpedes e de répteis. Por isso Deus os abandonou a si mesmos, deixando-os entregar-se a toda a espécie de perversões dos seus instintos, fazendo até as coisas mais indignas, com os corpos uns dos outros. Em vez de aceitarem a verdade de Deus, preferiram a mentira. Honraram e serviram coisas que são criadas em vez do próprio Criador, que é louvado eternamente. Amém.
Foi por isso que Deus se afastou deles e os deixou fazer todas essas práticas infames. Até as mulheres mudaram o uso natural que Deus destinou ao seu corpo e entregaram-se a práticas sexuais entre si mesmas. E os homens, deixando as relações sexuais normais com mulheres, inflamaram-se em paixões sensuais uns com os outros, homens com homens, e recebendo em si mesmos o devido castigo pela sua perversão. Visto terem achado inútil conhecer Deus, ele deixou-os fazerem tudo o que as suas mentes malignas pudessem imaginar." 

Romanos 1:18-28

 

- Pais que amam os filhos, aceitam-nos como são.

Pais e mães deram a cara no programa disseram que, porque amam os seus filhos,  aceitam-nos como são, e apoiam-nos na sua escolha sexual porque só querem a felicidade deles. 

Eu também amo os meus filhos, apoio-os e só desejo que sejam felizes, MAS, como mãe cristã, como uma mulher fiel e temente a Deus, sei que há um Deus que nos criou e que nos deixou a Sua Palavra como regra de fé e prática e que não há verdadeira felicidade fora de d'Ele e do propósito para o qual Ele nos criou.

É por amar os meus filhos que não suporto a ideia de os ver sofrer a ira de Deus, e que penso não só nesta vida, mas também na eternidade. Deus criou o homem a mulher e o sexo _ dois sexos. Ele criou o sexo para ser praticado, prazenteiro e desfrutado entre o marido e a esposa, no casamento, e para que nos multiplicássemos e povoássemos a terra. Ele deixa claro na sua Palavra que, aos Seus olhos, a homossexualidade, tal como qualquer outro pecado, é abominável e que traz consequências eternas àqueles que não se arrependem.

Pais e mães que amam os seus filhos e que dariam a própria vida por eles, não deixam de os amar porque não aprovam o pecado na sua vida. Pais e mães cristãos (e de outras confissões religiosas), por muito que amem os seus filhos, não são obrigados a violar as suas consciências porque eles optam por desobedecer a Deus e rejeitar os valores nos quais foram criados. _Optam? Sim! Ser cristão não é fácil! Jesus chama-nos a negar-nos a nós mesmos e a abandonarmos o pecado que nos é tão prazenteiro. Desde o dia que nascemos até ao dia da nossa morte, a nossa luta será sempre contra o pecado que vive em nós e que ameaça vencer-nos.

Sei que ninguém escolhe ser homossexual só porque sim! Sei que a maior parte deles não escolhe sentir atracção por pessoas do mesmo sexo, que sofrem e que ficam assustados quando percebem que o corpo deles reage a algo que eles sabem não ser natural. Sei que o sexo é uma força poderosa capaz de arrastar a pessoa no seu todo para práticas que prometem dar-lhe prazer, mas que jamais lhe trarão a felicidade. Sei que o pecado se entranha no ser humano prometendo-lhe toda a felicidade, mas que na verdade só traz dor e morte. Sei que a homossexualidade masculina traz problemas de saúde gravíssimos a quem o pratica [algo de que ninguém fala] e que a solidão é tudo o que têm no final da vida. Sei que amar os meus filhos passa por os alertar para o perigo do pecado e para as suas consequências eternas. Amá-los, não é compactuar com aquilo que lhes parece ser o melhor, mas que os vai destruir.

 

- Já nasci assim!

Durante o programa, um dos intervenientes afirmou: «Nasci assim!»

Mas, como é que alguém pode nascer homossexual quando um dos slogans que os homossexuais usam afirma que ninguém nasce heterossexual? 

- Então, e um bi-sexual? Alguém que tem prazer e é feliz ao fazer sexo com homens e mulheres? Nasceu confuso? Sexualmente desorientado?

- Desde quando é que o acto sexual determina quem somos e a nossa identidade?

- É o homem que tem controle sobre a sua sexualidade, ou é a sexualidade que tem controle sobre o homem?

- Se, realmente, devemos dizer "amén" à homossexualidade porque é a prática homossexual, em si mesma, que faz as pessoas felizes, porque é que deveremos dizer não à pedofilia que, segundo os pedófilos, os faz tão felizes?

- E, por que não aprovar e legislar o relacionamento sexual entre irmãos se a prática os faz felizes?

- Se é o acto sexual em si que faz as pessoas felizes e que determina quem elas são, vale tudo?

 

Resumindo: Todo o programa girou em torno da agenda LGBT. Todo o programa visou promover, apoiar e elogiar a prática homossexual e criticar todos aqueles que não olham da mesma forma para o fenómeno, tachando-os de homofóbicos. Todo o programa incentivou os filhos a confrontar os pais e a exigir a concordância deles ainda que isso viole as suas consciências. 

Em que momento é que o programa que visa promover o respeito pelo próximo, mostrou respeito pelos valores morais judaico-cristãos e por outros que não olham para a homossexualidade como algo natural? 

Eu respeito todas as pessoas e não me passa pela cabeça ofender ninguém, seja qual for a sua orientação sexual, mas também exijo que me respeitem e que respeitem a minha fé. Se, afirmar que a homossexualidade é pecado é ser homofóbico, então, eu sou! 

 

Maria Helena Costa

 

e se fosse.PNG

 

Um homem, uma mulher, uma carne - 1ª parte

"E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada. Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne."
Génesis 2:23,24

 

"Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea." Marcos 10:6 e ordenou-lhes que frutificassem e se multiplicassem, algo que só é possível com a união dos dois sexos numa só carne. Os dois, homem e mulher, são a família que Deus criou. Foi com esta família que Deus fez uma aliança que foi selada com o único tipo de união física capaz de perpetuar esta família criada à imagem do divino Criador. 

 

Nos últimos anos, temos assistido a uma leitura diferente de Génesis 1 e 2 por parte dos defensores da homossexualidade, mas se Deus tivesse em vista qualquer outro tipo de família, o relato da criação não seria totalmente diferente? Alguns, argumentam que Eva não era um complemento para Adão, mas sim uma companheira básica, alegam que ela solucionou o problema da solidão de Adão e não a falta de completude, que a mulher, ao contrário dos animais, era apropriada para o homem por ser semelhante a ele, que a linguagem "uma só carne" não refere qualquer acto sexual específico, que Génesis 2 não menciona a procriação e que usa o exemplo de um homem e uma mulher para ilustrar o vínculo da aliança do casamento, mas que isto pode apenas descrever o que é normal em vez do que é normativo. Segundo eles, a união de dois homens ou de duas mulheres, pode demonstrar o mesmo deixar, o mesmo unir e o mesmo compartilhar da intimidade de tudo o que vemos em Adão e Eva.

 

O problema é que esta revisão do texto bíblico, por mais plausível que possa parecer, não se harmoniza com os relatos específicos do relato da criação. Há 5 razões que nos levam a crer que Génesis 1 e 2 estabelece o desígnio de Deus para o casamento e que este desígnio exige um homem e uma mulher.

 

1) A maneira como a mulher foi criada indica que ela é o complemento divinamente planeado para o homem: "Então o Senhor Deus fez o homem cair em profundo sono e, enquanto este dormia, tirou-lhe uma das costelas, fechando o lugar com carne." 
Génesis 2:21, depois, a Bíblia diz: "E da costela que o Senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão." Génesis 2:22.

A mulher não foi formada do nada, nem do pó da terra, mas da costela que Deus tirou do homem. O que a torna singular é que ela é semelhante ao homem (isso é expresso na afirmação do compromisso de aliança "osso dos meus ossos e carne da minha carne") e diferente do homem. O texto bíblico tem em conta tanto a semelhança como a diferença. Adão deleita-se com o facto de que a mulher não é outro animal nem outro homem. Ela é exactamente o que o homem necessita: uma auxiliadora idónea, igual a ele, mas o seu oposto: "E disse Adão: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; esta será chamada mulher, porquanto do homem foi tomada. Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne." (Génesis 2:23,24).

 

2) A natureza da união "uma só carne" pressupõe duas pessoas de sexos opostos.

A expressão "uma só carne" aponta para a intimidade sexual, conforme sugerido pela referência à nudez no versículo 25: "E ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam." Génesis 2:25. Essa foi a razão por que Paulo usou a linguagem de "uma só carne", quando advertiu os coríntios a respeito de se unirem a uma prostituta (1 Co 6:15-16). O acto de relação sexual une orgânica e  relacionalmente um homem e uma mulher, tornando-se uma unidade. A unidade das partes na actividade sexual não permite que os dois se tornem "um" desta mesma maneira. [...] Quando Génesis 2:24 começa com "por isso", conecta a intimidade de se tornarem uma só carne com a complementaridade de a Mulher ser tomada do Homem (v. 23). O ish e a ishah podem tornar-se uma só carne porque a união deles não é apenas uma união sexual e sim uma reunião, o unir de dois seres diferentes, em que um foi feito do outro e ambos, feitos um para o outro. 

 

Do livro: de Kevin Deyoung

O que a Bíblia ensina sobre a homossexualidade, págs. 34-35

 

Continua: 

sagrada_familia.jpg

 

 

 

 

Reféns da cultura do mercado - Niilistas 2

Antes de ler este post, é bom ler o anterior: http://peregrinaaqui.blogs.sapo.pt/refens-da-cultura-do-mercado-62139

 

O niilismo não é resignação à sua sina trágica (eu sou um João ninguém), mas a heróica coragem de dominar isso. Não existe ponto de referência transcendente para a verdade. Não existe ponto de referência transcendente para a verdade, dizia Nietzsche - "a verdade não se descobre, ela é feita".

 

Pelo menos a visão de Nietzsche do niilismo era rebelde. Havia alguma vida nela. Ouse ser mestre do mundo! Na década de 1960, por exemplo, muitos jovens buscavam exactamente isso, abraçando a independência dionisiana de todas as convenções sociais e até mesmo as reivindicações de verdade e moralidade última. Assim, provavelmente não é certo chamar à versão de Nietzsche do ateísmo de "niilismo", porque ele dizia que não existe nenhuma coisa em que se crer, mas se crermos em nós mesmos seremos capazes de criar a própria verdade e a realidade, não apenas verdade e realidade pessoal como também para todos os demais. Vencem os mestres.

Hoje, porém, muitos jovens são verdadeiros niilistas. Se para Nietzsche a verdade não era descoberta e sim feita por nós, para muitos, hoje, a verdade nem é feita, mas sim usada passivamente, como se usa um vestido adoptado pela cultura popular. Não realmente felizes, mas também não destituídos - na verdade, até mesmo mimados - muitos de nós encostamos-nos na poltrona e deixamos que os mestres nietschnianos de gerações anteriores nos divirtam, alimentando-nos com as suas imagens da verdade, do bom e do belo.

 

Niilismo é ter duzentos canais de televisão entre os quais escolher e a vida como uma farta e perpétua mesa de buffet onde a escolha é, em si mesma, a finalidade. Esquecemos-nos do que e por que é que estamos a escolher. Estamos a comandar, mas a dominamos uma vida  onde parece faltar qualquer sentido definido de propósito ou destino. Assim, as pessoas conformam os seus corpos aos das revistas de moda, as suas almas aos modismos de auto-ajuda, e, então, voltam para o anonimato suburbano de começar tudo de novo no dia seguinte. Essa busca inquieta, temerária, dionisiana de transformações físicas e espirituais é, em si mesma, uma forma de sofrimento. No final, os mestres tornam-se escravos.

 

A essa cultura, liderada por incansáveis mudanças instantâneas, a luz do evangelho proclama que alguma coisa aconteceu fora de nós, na história - uma interrupção divina que realmente inaugurou um mundo novo (Apocalipse 21:5).

O Espírito Santo foi enviado pelo Pai e pelo Filho, que, vitorioso, está à destra do Pai, para tornar autenticamente novas todas as coisas de dentro para fora. Mesmo agora, a consumação futura está a penetrar "este mundo perverso" (Gálatas 1:4), operando como fermento num monte de massa (ver Mateus 13:33); Lucas 13:21). Ele não promete um você melhor, um estilo ou uma "cara" ou imagem mais na moda, mas uma autêntica nova criatura.

 

Esta nova criação é obra de Deus. É a única verdadeira esperança para a humanidade.

 

o-evangelho-o-novo-nascimento-14-638.jpg

 

 

Do livro: Bom Demais para ser Verdade, págs. 148-149

Michael Horton

 

 

O Melhor para as Crianças é Terem um Pai e uma Mãe

Às vezes, tenho a sensação de que até os cristãos, homens e mulheres que professam a sua fé em Cristo, estão a ser moldados para aprovar a co-adopção e a adopção de crianças por pares do mesmo sexo, incapazes de perceber que as recentes alterações só foram feitas por questões ideológicas, para cumprir a agenda política das forças radicais.

Vamos por pontos:

 

  1. O que é o chamado “casamento homossexual”?

- Para inicio de conversa, não é um casamento. Por definição e por força da realidade o casamento é sempre a junção entre um homem e uma mulher, tal como na natureza as espécies procriam e subsistem pela junção de um macho e uma fêmea, tal como a fecundação se dá pela junção de um gâmeta masculino e um gâmeta feminino. É absolutamente errado chamar “casamento homossexual” à junção de pessoas do mesmo sexo! Não existe “casal do mesmo sexo” porque a palavra “casal” implica sempre um macho e uma fêmea – um homem e uma mulher. Portanto, etimologicamente e biologicamente o termo correcto é “par do mesmo sexo” porque são duas pessoas do mesmo sexo. Por muito que se acrescentem palavras novas ao dicionário, uma casal sempre foi, é, e será macho e fêmea.

 

  1. Porque é que se tem utilizado o termo errado?

- Por uma questão ideológica da esquerda radical e relativista, da agenda LGBT e fruto da ideologia de género.

 

  1. Duas pessoas do mesmo sexo podem viver juntas?

- Se duas pessoas do mesmo sexo querem viver juntas e ter os mesmos direitos e deveres dos casais, é uma decisão delas e eu não tenho que ser contra ou a favor. Podem dar-lhe o nome de “união civil registada”, "união de facto" ou outro qualquer, mas nunca será um casamento ainda que insistam em chamar-lhe tal.

 

  1. Sou  a favor da adopção?

- Fui adoptada e se tivesse condições económicas gostaria de adoptar.

 

  1. E a adopção por pares do mesmo sexo? Qual é a minha opinião?

- Considero que é um atentado aos direitos fundamentais da criança de ter um pai e uma mãe.

 

  1. Porquê?

- Porque o que se sabe é que o melhor para qualquer criança é ter um pai e uma mãe. Ainda que nos deparemos com várias situações como: ter só o pai ou a mãe, estar numa instituição ou ser criado por avós, tios ou tias, dois homens ou duas mulheres, está provado cientificamente que o melhor para as crianças é serem criadas por pai e mãe.

 

  1. Mas não é preferível que a criança tenha quem a ame e cuide dela, ainda que sejam “dois pais” ou “duas mães”?

- Ainda que os pares homossexuais sejam cuidadores e gostem da criança, é sempre uma opção menos boa para o são desenvolvimento da criança e agrava-se ainda mais quando se impõe a dupla filiação paterna ou materna como se pretende fazer em Portugal, ao arrepio de outros países onde a opção por pares do mesmo sexo é possível, mas não se impõe que conste no Cartão de Cidadão a impossibilidade que é ser filho de dois homens ou de duas mulheres.

Do meu ponto de vista é pura maldade e falta de respeito para com a criança e pode vir a causar-lhe graves perturbações no desenvolvimento psico-afectivo devido ao facto de ela não poder desenvolver a representação intelectual, emocional e afectiva do pai ou da mãe que não tem nem nunca teve. Este espaço intrapsiquico é esmagado e até eliminado  pela existência de um outro cuidador significativo de quem  a criança até pode gostar e que se impõe como um pai no lugar da mãe ou uma mãe no lugar do pai.

Como é que a criança vai perguntar a este “substituto”: «onde está o meu pai/mãe?»

Como pode fazê-lo da forma correcta? Não pode! Esta situação vai ficar reprimida e recalcada até à adolescência onde começa a surgir e a criar inúmeros problemas psicológicos e relacionais e que tem levado, em muitos casos, à revolta contra os cuidadores que lhe impuseram um modelo impossível, irreal e contra-natura que só revela egoísmo e desrespeito pelos sentimentos da criança.

 

  1. Então, recuso que dois homens ou duas mulheres possam cuidar de uma criança?

Não tenho nada contra o facto de dois homens ou duas mulheres cuidarem de crianças, mas tenho tudo contra homens e mulheres que imponham um modelo de família contra-natura e de dupla filiação no registo civil.

 

  1. A presença da figura materna e paterna é fundamental para o desenvolvimento de uma criança?

- É imprescindível e não apenas fundamental.

 

  1. Mas, então, estou a dizer que é melhor a criança ser criada por um casal [mãe e pai] que a trate mal, do que por um par homossexual que a trate bem?

Pessoas boas e más existem independentemente da sua orientação sexual. Usar esse argumento é de uma hipocrisia terrível. Essa é a excepção e não a regra. Se o casal é mau e não tem condições de criar a criança ou sequer de a ter, se for necessário retirá-la a esse casal ou se os pais não a querem, então o instituto de adopção tem a obrigação e o dever de arranjar outro casal, um pai e uma mãe, que todas as crianças precisam, desejam e merecem.

 

  1. Há algum estudo científico que prove que a adopção por “casais homossexuais” não é a solução?

Há sim. E têm sido divulgados pelo Centro de Recursos Pessoa, Família e Sociedade (CRPFS), uma plataforma cívica formada por diversas áreas do conhecimento e do saber, preocupadas com a reflexão e o pensamento sobre temas estruturantes e fundamentais da sociedade e que incidem numa preocupação fulcral com o bem-estar da pessoa humana, que recentemente publicou um folheto onde estão os estudos actualizados e os mais credíveis sobre o tema e que importa explorar, ler e divulgar.

 

  1. A sociedade portuguesa aceita bem uma criança adoptada por um “casal homossexual”?

Infelizmente, esta sociedade aceita tudo. Ainda que ninguém discrimine ou trate mal as crianças (o que duvido), a questão de fundo é que isso é mau; é a pior opção para as crianças e é isso que é grave. A estigmatização começa a partir do momento que duas pessoas adultas se querem constituir como uma família normal sem nunca o poderem ser.

E, se falarmos na procriação medicamente assistida a mulheres sozinhas ou a pares de lésbicas com tudo o que isso implica de mau, percebemos o egoísmo exacerbado da natureza humana que é o de querer ter tudo, fazer tudo, ter filhos a todo o custo como se de uma coisa se tratasse sem pensar nas implicações desse acto para a criança que não escolheu nascer naquelas circunstâncias.

Segundo os dados disponíveis, em Portugal, por cada criança a adoptar HÁ 3 casais (homem e mulher) em lista de espera, ENTÃO, não precisamos da co-adopção ou da adopção por pares do mesmo sexo, pois o interesse da criança está protegido. BASTA acelerar os processos de adopção.

O QUE LHE PARECE? Para uma criança que ficou sem família, não será melhor ter um pai e uma mãe adoptivos? EFECTIVAMENTE, a adopção existe para as crianças e não para os adultos.

 

familia_0.jpg

 

 

Baseado no jornal: O DIABO, 15 de Dezembro de 2015

De uma entrevista ao Psicólogo clínico e sexólogo Abel Matos Santos